Sebrae Delas

Voltar
17.07.2020 Finanças

Mulher segura, planejamento financeiro descomplicado, orientações sobre gestão de riscos e investimentos

A cada dia que passa, elas conquistam mais espaço em um movimento que só cresce em todo o Brasil. Motivadas pela busca da independência financeira ou de novas fontes de renda extra, 9,3 milhões de mulheres já estão à frente do próprio negócio – 34% dos novos empreendimentos. Os números são do relatório Empreendedorismo Feminino no Brasil.

Em 2018, o Brasil ficou em 7º lugar entre os 49 países com a maior proporção de mulheres empreendedoras. Para manter esse protagonismo em alta, ainda mais em tempos de incerteza, é importante contar com um planejamento financeiro bem estruturado.

Isso inclui saber gerenciar riscos e lidar com investimentos, a fim de atrair maior rentabilidade. Neste artigo, você aprenderá sobre finanças de um jeito descomplicado, além de orientações para lidar com imprevistos e ter retornos mais rentáveis. Boa leitura!

Por que contar com um bom planejamento financeiro?

Quem é empreendedora já sabe: cuidar das finanças é primordial para alavancar o negócio e manter a sustentabilidade em tempos de instabilidade econômica. Isso requer um planejamento financeiro para guiar os seus próximos passos.

Com ele, é possível avaliar se os resultados esperados estão sendo alcançados, projetar as receitas e despesas, além de planejar um melhor uso dos recursos. Se o retorno não condiz com o que foi planejado, é nesta etapa que se traçam os melhores caminhos para chegar até ele, garantir a saúde do seu caixa e cumprir as metas estipuladas.

Aliás, o desempenho de uma empresa depende da qualidade de sua saúde financeira. Por meio do planejamento, é possível ter mais segurança para a tomada de decisão e ainda obter um diferencial competitivo no mercado. Sem contar que:

  • Reduz as chances de riscos;
  • Ajuda a diminuir os custos e a fazer um melhor aproveitamento dos recursos disponíveis;
  • Embasa a escolha de ações para guiar as estratégias do negócio.

Como criar um planejamento financeiro bem estruturado?

Há três passos essenciais para manter a saúde financeira da empresa sempre no azul. Um deles é ter em mente o sucesso do negócio, já que visualizar ajuda a colocar as coisas em prática com mais facilidade.

O outro é manter a disciplina e seguir o planejamento para trilhar o seu caminho. Superar os momentos de baixa – ultrapassar obstáculos e lidar com imprevistos – e aproveitar os de alta – objetivos alcançados com ações eficientes – a seu favor. Tudo faz parte do crescimento.

Por fim, acompanhar todas as áreas, bem como receitas e despesas, com uma visão mais macro do negócio. A partir de um monitoramento constante, fica mais fácil projetar o caminho até os resultados e gerar insights para a tomada de decisão. É importante destacar que o trio é a base para criar um bom planejamento financeiro. Fique de olho nos próximos passos!

Colocar ordem nas finanças

Conhece o ditado “colocar ordem na casa” ou “arrumar a casa”? Pois, neste caso, a medida é organizar as contas. Antes de qualquer passo, é preciso avaliar a sua realidade financeira e fazer os ajustes necessários para alcançar a estabilidade.

Assim como a lista de compras, que traz em detalhes tudo o que a despensa ou a geladeira precisa, o saldo e as movimentações bancárias merecem a mesma atenção. Ou até mais. Ao saber o que se tem ou o que se deve conquistar, torna-se mais fácil seguir para o próximo passo.

Manter um controle do que entra e do que sai

Ter uma visão geral da empresa concede às mulheres de negócios o controle pleno de seus gastos e de seus ganhos. Para isso, é preciso contar com alguma forma de acompanhamento, seja por meio de planilhas ou através de sistemas de gestão. Aqui você encontra diversos modelos de planilhas:

  • Fluxo de caixa;
  • Monitoramento de pagamentos a prazo;
  • Demonstrativo de resultados;
  • Pagamento de fornecedores e de tributos;
  • Controle de estoque;
  • Cálculos e simuladores.

O mais importante é ter consciência sobre como o dinheiro é gasto e de onde vêm os ganhos. Dessa forma, é mais fácil organizar as finanças, vendo o que pode ser cortado no orçamento, se há áreas com desperdício ou que necessitam de maior investimento. Quanto maior for o controle, melhor será para avaliar o que é realmente relevante.

Definir metas financeiras com prazos

Ter objetivos bem definidos é essencial para manter a disciplina e acompanhar o que traz resultados efetivos. Isso vale inclusive para as finanças pessoais. A melhor estratégia para cumprir uma meta é visualizá-la, além de estipular um prazo para que ela seja cumprida. Isso também ajuda a ter mais controle sobre o planejamento financeiro.

Ao traçar objetivos, as empreendedoras já sabem o que querem conquistar, o que ajuda a guiar as ações para que eles aconteçam. Além disso, com um tempo pré-determinado, é possível atualizar as metas de forma constante e de acordo com os resultados desejados.

Adotar metodologias para cuidar das finanças

Um dos métodos mais conhecidos entre os pequenos negócios, principalmente na área da qualidade, é o ciclo PCDA. Ele também pode ser aplicado para auxiliar a implantação e o acompanhamento do planejamento financeiro com o intuito de aprimorar os processos a partir de quatro etapas:

  • Plan – Planejar: fase de implementação do plano conforme a realidade e os objetivos financeiros do negócio;
  • Do – Fazer: o planejamento deve ser colocado em prática;
  • Check – Verificar: hora de fazer o acompanhamento dos objetivos e os resultados, alcançados ou não;
  • Act – Agir: depois de avaliar o andamento da saúde financeira da empresa, a última etapa requer ações para corrigir falhas e melhorar tudo o que precisar.

Investir em conhecimento para melhorar as decisões

Uma das melhores formas de tomar decisões conscientes e de acordo com as estratégias do negócio é por meio do conhecimento. Quanto mais as empreendedoras se aprofundam no universo da empresa, maior será o preparo para lidar com as movimentações do mercado e manter o controle das finanças.

Ter noção de todos os gastos, inclusive os pequenos, que geralmente passam despercebidos, ajuda a evitar prejuízos mais à frente. Por isso, investir em conhecimento é uma das dicas mais importantes para negócios liderados por mulheres. Pois pode trazer vantagem competitiva e ainda abrir alternativas para tornar a balança financeira mais eficiente.

Qual é a importância da gestão de riscos e investimentos?

Quando se fala em finanças e em empreendedorismo feminino, o planejamento financeiro é apenas uma peça do negócio. Vale lembrar que o mercado segue em constante movimentação de acordo com as mudanças no perfil de consumo e também com a volatilidade da economia.

Agora, mais do que nunca, com o avanço da pandemia, as mulheres de negócios tiveram de aprender – ou reforçar – o gerenciamento de finanças na crise. Sem contar a gestão de riscos e investimentos em um cenário ainda mais incerto, tanto para a renda fixa como para a renda variável.

Quem sabe lidar com situações assim sofre menos impacto, o que por si só já é motivo para levar o tema a sério. Uma boa gestão de riscos requer traçar limites aceitáveis, que podem ser controlados no momento em que as empreendedoras conseguem antecipar situações.

A atuação preventiva, porém, é apenas uma forma de amenizar o impacto de fatores externos e orientar as decisões. Afinal, a imprevisibilidade faz parte do dia a dia, como foi o caso do novo coronavírus. De qualquer maneira, é possível estudar e entender a fundo o mercado financeiro, suas oscilações, o comportamento dos preços e por aí vai.

Como fazer uma gestão de riscos eficiente?

A fim de aumentar as chances de sucesso, mulheres donas de negócios devem investir em um bom planejamento financeiro e em uma gestão de riscos eficiente. Nada que um passo a passo com algumas dicas não ajude. Confira!

Acompanhar o mercado financeiro

Nada como estar por dentro do que acontece no mundo das finanças para saber como reagir a cada situação da melhor maneira possível. Por isso, é essencial acompanhar notícias sobre o mercado financeiro e a economia, no geral, a fim de avaliar o potencial de riscos à sua volta.

Assim, também é possível visualizar a valorização e a desvalorização dos ativos ou entender o histórico de compra e venda de ações, entre outros benefícios. Com o tempo, estar de olho nas movimentações da Bolsa de Valores, fundos multimercado ou fundos imobiliários, por exemplo, trará uma familiarização maior e segurança nas escolhas.

Identificar os tipos de riscos

Baixos, altos, controláveis ou além do que se espera, os riscos estão por toda parte. No mundo dos investimentos, então, eles têm presença garantida, principalmente no mercado de ações e outros ativos da renda variável. Saber lidar com eles é importante para conquistar o retorno financeiro que se deseja e reduzir as chances de perdas.

Em tempos de juros baixos e alta volatilidade do mercado devido à instabilidade econômica no mundo todo, a principal recomendação é a diversificação da carteira de investimentos. Isso significa, de modo geral, buscar o equilíbrio entre renda fixa e variável para proteger o seu patrimônio. Os riscos mais comuns são:

  • Risco de mercado: diretamente atrelado à flutuação do mercado financeiro, inclui variação de câmbio e taxa de juros;
  • Risco de ativo: condiz com as características de cada tipo de investimento;
  • Risco de crédito: vale para ativos em que há a chance de perder parte ou totalidade do dinheiro investido, como no caso de debêntures, ações, entre outros;
  • Risco de corretora: possibilidade de falência da corretora que faz o meio de campo na hora das aplicações;
  • Risco de liquidez: investimentos com liquidez diária podem ser acessados a qualquer momento, enquanto outros têm um prazo para resgate.

Estipular os níveis aceitáveis

Já que os riscos são inevitáveis, a estratégia é definir um grau de tolerância para eles. Isso significa saber até que ponto as empreendedoras estão dispostas a aceitar as variações. É preciso ser realista para evitar riscos que ultrapassem as expectativas.

Dessa forma, fica mais fácil manter um certo controle sobre os investimentos em relação ao risco x retorno saudável. Para conseguir resultados consistentes, o caminho é restringir as perdas e manter o controle dos ganhos por meio de operações com boa rentabilidade para compensar prejuízos.

Um bom método para chegar a níveis aceitáveis é por meio do seu perfil de investidora, além de avaliar a rentabilidade de cada ativo e diversificar a carteira. Existem três posturas principais:

  • Conservadora: prefere não assumir riscos e ter uma rentabilidade menor. Por isso, seus maiores ativos estão na renda fixa, como poupança e títulos públicos;
  • Moderada: aceita correr alguns riscos em troca de maior retorno, então diversifica seus investimentos entre renda fixa e variável;
  • Arrojada: em busca de maior rentabilidade, aceita os riscos e acompanha as oscilações do mercado para focar em investimentos com os melhores resultados.

Traçar estratégias de prevenção

O gerenciamento de riscos demanda um planejamento estratégico como forma de se prevenir para resguardar o seu patrimônio. Diversificar a carteira entre renda fixa e variável é uma das formas de buscar o equilíbrio entre riscos e retorno financeiro.

Também é preciso estudar o mercado de modo constante – vídeos, palestras, eventos, cursos etc. – para saber onde investir melhor e concentrar os maiores esforços. Tenha uma visão macro do cenário econômico e dos fatores que alteram a rentabilidade de cada ativo.

Busque fontes confiáveis e faça networking (rede de contatos) com quem entende do assunto. Aproveite todas as oportunidades que tiver para aprender mais. Não se esqueça de alinhar os seus objetivos com as estratégias traçadas.

Tomar decisões mais assertivas

Por último, uma boa gestão de riscos e investimentos contribui para uma tomada de decisão mais eficaz e segura. Quando se trata de dinheiro, cada passo é importante para manter a saúde financeira do negócio, buscar novos investimentos e prosperar no mercado. Portanto, todo cuidado é pouco para acertar nas escolhas.

O conhecimento traz o equilíbrio necessário para deixar as contas em dia e ganhar estabilidade em momentos de adversidade. Assim como o planejamento financeiro, que confere um nível maior de controle e segurança aos negócios liderados por mulheres.

Embora o cenário seja de incertezas, o empreendedorismo feminino tem tudo para continuar sua trilha crescente. Lembre-se de ter o sucesso em mente, manter a disciplina e acompanhar o planejamento financeiro da empresa, além de definir um bom plano para a gestão de riscos e investimentos. Esse controle, aliado ao conhecimento atualizado, é essencial às mulheres de negócios que desejam prosperar e conquistar resultados cada vez melhores.

Quer saber mais sobre o cenário? Confira os desafios da mulher empreendedora e prepare-se para superá-lo.

Referências:

https://datasebrae.com.br/wp-content/uploads/2019/03/Empreendedorismo-Feminino-no-Brasil-2019_v5.pdf

https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/UFs/AP/Anexos/6-Sustentabilidade-Economica_MIOLO-final.pdf

https://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/sebraeaz/planilhas-que-facilitam-a-gestao-financas,b6354e64c093d510VgnVCM1000004c00210aRCRD

Leia também

17.02.2021

Eu e minha empresa. a importância de contas bancárias independentes

O empreendedorismo pode ser uma grande janela para o sucesso. Mais de 24 milhões de[...]

Continue lendo
17.07.2020

Mulher segura, planejamento financeiro descomplicado, orientações sobre gestão de riscos e investimentos

A cada dia que passa, elas conquistam mais espaço em um movimento que só cresce[...]

Continue lendo